Você está em: : Pagina Incial > Publicações > Post
3 Principais Tecnologias de Rastreabilidade Hospitalar

Hoje vou apresentar para você as 3 principais tecnologias de rastreabilidade hospitalar que auxiliam na desafiadora tarefa de mapear o histórico de toda instrumentação cirúrgica, pacientes, enfermeiros e máquinas.

 

Radio Frequency Identification (RFID)

A primeira tecnologia a ser comentada é a RFID. Esta sigla é de Radio Frequency Identification, que traduzido para o nosso bom e velho Português significa Identificação por Rádio Frequência.

Esta tecnologia, em termos simples, envolve a leitura de um objeto que emite um pulso eletromagnético, permitindo a comunicação entre o dispositivo e um sistema.

O RFID surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, porém seu uso estava exclusivo a área militar devido ao elevado custo. Somente há pouco tempo que esta tecnologia se tornou viável na aplicação em projetos de menor porte, como em hospitais.

O sistema RFID é composto de 3 estruturas principais: as tags, o leitor e a interface.

As tags são pequenas etiquetas anexadas ao equipamento com a finalidade de identificação e registro de informações. Elas são extremamente minúsculas, com apenas 3 mm de comprimento, e altamente resistentes a temperatura, pressão e produtos químicos.

O leitor é um equipamento com capacidade de interpretar os dados registrados em um tag, enquanto a interface é o sistema responsável pela transmissão dos dados entre o leitor e as tags.

Esta é a tecnologia utilizada pela SISMETRO na rastreabilidade de equipamentos médicos. Ela é segura, confiável, com baixa manutenção e permite diversas opções de armazenamento e compartilhamento de dados.

Veja neste vídeo a seguir como a utilização do RFID facilita bastante a rastreabilidade.

 

Outra tecnologia é o Datamatrix 2D. 

O código Datamatrix é um código 2D que foi desenvolvido pela ID Matrix em 1987. Ele foi registrado de acordo com a norma ISS do AIMI em 1996 e de acordo com a norma ISO/IEC em 2000.

Ele utiliza o Reed-Solomon para a correção de erros, que recupera os dados quando parte de um código encontra-se danificada.

É internacionalmente padronizado. De maneira geral, a versão ECC200 é a versão utilizada para aplicações com códigos Datamatrix.

A área de dados do código Datamatrix é envolta por um quadro em formato de L chamado de padrão de alinhamento, e por linhas pontilhadas chamadas de padrão de intervalo. Os leitores capturam esses padrões para determinar a posição do código com o processamento de imagens. Assim, o código Datamatrix pode ser lido a partir de qualquer direção.

No código Datamatrix, a taxa de correção de erros é automaticamente determinada pelo tamanho do símbolo e a capacidade dos dados. Ao contrário do código QR, ele não pode ser livremente especificado.

Por ser altamente confiável mesmo que perca partes e ocupa pouco espaço, ele é utilizado principalmente nos instrumentais cirúrgicos para fazer a sua identificação. Ele pode ser colocado de duas maneiras, gravado a laser diretamente no instrumental cirúrgico ou com micro etiquetas adesivas.

 

QR Code

A nossa terceira e última tecnologia a ser abordada é a o QR Code. As letras Q e R representam a palavra Quick Response, cuja tradução é Resposta Rápida. Esta é uma característica marcante, pois a velocidade de interpretação dos dados é 10 vezes mais rápida do que um código de barra. Além disso, a quantidade de informações armazenadas é muito maior, e a facilidade de leitura também, visto que o código de barras é somente legível com um raio infravermelho, enquanto do QR Code pode ser lido simplesmente com a câmera do celular.

Você sabia que, quanto mais pixels pretos o código QR apresentar, significa que ele tem mais informações carregadas? O oposto também é verdade. Quanto mais vazio, mais branco, menos dados ele está armazenando.

 

Conclusão

Você conhecia todas as tecnologias listadas nesse artigo? Dê a sua resposta na seção de comentários abaixo.

Um grande abraço,

Kepler Otto


Por Kepler Otto
Publicado em 05/01/2022 - 15:41